Moscou começa a dar indicações sobre próximos passos da invasão na Ucrânia

0

O primeiro dia da “operação militar” da Rússia na Ucrânia terminou com um saldo de pelo menos 137 vidas perdidas e quase 100 mil pessoas deixando residências para tentar fugir do confronto. Com o início do segundo dia de confronto, começam a chegar também as primeiras informações sobre o futuro da crise no leste europeu.

Correio conversou com comentaristas internacionais em Moscou, capital russa, para saber as indicações para o futuro imediato da crise. Um dos objetivos da Rússia no momento é fortalecer as regiões de maioria russa na fronteira, como Donbass, no sudoeste da Ucrânia.

Os russos esperam também substituir o atual governo de Kiev, capital ucraniana, por um alinhado à Rússia. Na madrugada desta quinta-feira (24/2), ouviram-se fortes explosões em Kiev, e as forças russas conseguiram controlar o Aeroporto da capital.

Segundo fontes do Pentágono ouvidas pela AFP, o exército russo se aproxima de Kiev com “superioridade aérea absoluta” e tem intenção de “decapitar o governo” e substituí-lo por um pró-Rússia.

“Basicamente, têm a intenção de decapitar o governo e instalar sua própria forma de governo, o que explicaria este avanço inicial para Kiev”, avaliou a fonte. De acordo com o funcionário de inteligência ocidental, “as defesas aéreas da Ucrânia foram eliminadas e eles não têm mais força aérea para se proteger”.

“Nas próximas horas, os russos tentarão concentrar uma força avassaladora em torno da capital e a defesa agora recai sobre as forças terrestres e a resistência popular”, explicou.

Segundo fontes ouvidas pelo Correio, um terceiro passo dos russos será o fortalecimento militar das fronteiras das regiões pró-Rússia na Ucrânia com países da União Europeia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.